O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Ritual para o equinócio de outono

Equinócio

Por volta do dia 20 e 23 de setembro no hemisfério norte e em 20 e 21 de março para nós acontece o equinócio de outono, quando a noite e o dia têm a mesma duração. É o tempo de colheita das frutas e grãos e de início das estações de recolhimento. Como já estamos vivendo um recolhimento forçado pela covid, trabalhar o significado simbólico deste tempo pode ajudar a lidarmos com estes desafios. 

Os celtas comemoravam esse dia com um festival sagrado voltado para o reconhecimento daquilo que aprendemos e para determinar o modo como o utilizaremos. Apesar de já ter passado o dia 20, ainda estamos na época de fazer isso.  O sentido desse festival foi adaptado no livro Ritual, de Emma Restall Orr, e está resumido abaixo:

Primeiro monte uma mesa bem bonita com pão caseiro, vinho ou suco de uva e maçãs. Aí se proponha a meditação abaixo, que são 3 perguntas e reflexões:

  1. O que é esse tempo de equinócio e o que tem a ver comigo?

Da mesma forma que dia e noite estão equilibrados no equinócio, essa questão nos aponta o encoraja a observar os mundos que nos circundam e a ir buscar meios para eles se equilibrem. Chamando os espíritos locais e por nossos ancestrais para que nos tragam inspiração, podemos descobrir meios para que o equilíbrio se reflita em nós mesmas.

  1. O que eu colhi até agora?

O que você está colhendo hoje no sentido simbólico? E no sentido literal, quais produtos estão na sua mesa? Colocando frutas, pães e sementes num local como um altar caseiro, vendo seus padrões que inspiram beleza e expressam a rede da vida através de suas cores e formas, amparadas pelos espíritos da natureza podemos explorar e celebrar nossas próprias realizações.

  1. Como eu usarei minha colheita?

Somente quando tomamos posse da nossa colheita podemos saber o que será necessário fazer na próxima estação e quais sementes devemos plantar. Somente tomando posse de nossa colheita podemos ter liberdade de compartilhar os frutos, de relaxar o controle sem medo da perda nem da escassez, de receber gratidão e de nos banquetear na celebração.

A celebração consiste em fazer agora essa simples refeição com o pão caseiro, vinho ou suco e maçãs, a serem degustados em agradecimento às forças do céu, da terra, do mar, da floresta, dos rios… e em agradecimento a nós mesmas e a nossas famílias de coração, de alma e de escolha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *