O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Como falar sobre aparência com nossas meninas: carinhosos recados feministas

O que falamos com nossas filhas, netas, sobrinhas e alunas sobre corpos, principalmente femininos, é muito, muito importante.

“Vamos ensinar nossas filhas a serem positivas no corpo, para que elas possam crescer para serem gentis, inteligentes e não julgadoras, especialmente para si mesmas”, diz  a blogueira Perelandra Beedles, que fez uma lista elencando 9 expressões positivas que ela acredita que mães e pais devem ensinar às filhas de modo afetuoso. Alguns:

“Todos os corpos são bons corpos”. Esse é o cerne da questão. Cuidado para não usar os imperativos exigentes e exagerados de saúde relacionada com magreza para não favorecer o ideal de Barbie magrinha para as garotas.

Outras expressões  relacionados com essa: “Peso é apenas o efeito de um corpo em relação à gravidade”. “Seu corpo é um instrumento, não um enfeite”. “Exercite-se pela diversão e prazer, não pela beleza – por exemplo, ela diz, é gostoso correr com o cachorro ou aprender um golpe de karatê.

Beedles aponta para o que estamos cansadas de ver, aqui no Brasil talvez até mais que nos EUA, que é o excessivo valor dado à aparência física, principalmente feminina. Então, outros recados positivos para as meninas são: “Seu valor não é baseado apenas na aparência” e “Não é seu trabalho ser bonita”.

Ela sugere que a gente não fique babando por causa dos corpos perfeitos de modelos e atrizes, nem caçoando dos corpos de outras mulheres; a forma como comentamos sobre a aparência de nossas companheiras na praia é mais prejudicial maior do que parece e terá uma repercussão na garota.

Ser negativa sobre a aparência das outras legitima a ideia machista do julgamento sobre mulheres nesse sentido. Sugestão: Todo corpo é um bom corpo para usar um biquíni”.

Enfim, essa questão não é apenas sobre aparência, é sobre como nos sentimos por dentro, e é importante não apenas pela saúde física e psicológica das meninas, mas também para a desconstrução de preconceitos machistas em relação a todas nós.

Fontes: Ilustração de Camila Rosa – Veja o interessante trabalho dela em https://followthecolours.com.br/art-attack/camila-rosa-ilustracao/?+02&utm_term=0_2b0e8ce533-080514b8b9-329292629

Texto editado e traduzido livremente do artigo de “A might girl” sobre  Perelandra Beedles, disponivel em  https://www.facebook.com/316489315054055/posts/1647236085312698?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=20180408&ts=20180408

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *