O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Sempre me senti muito menos que qualquer outro, mas isso não era verdade

Então, eu tive que buscar dentro da minha profundeza, tive que me espelhar em mim mesma.

Tem uma solidão muito grande nisso, porque você olha e vê que não tem turma. Mas isso também me faz única, específica.

Eu sempre me senti muito menos que qualquer outro. Mas isso não era verdade. Eu leio, eu tiro conclusões, eu penso, as coisas brotam. É uma sabedoria que eu já tenho.

Eu passei por vários momentos da minha vida em que tive que reconhecer a minha competência. Foi um processo de me reconhecer, e foi por etapas.

 

Depoimento de Monika von Koss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *