O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Rito para lidar com mágoas, feridas, ofensas

mulheres lobos

Mulheres Lobos

Clarissa Pinkola sugere que se faça uma espécie de catarse ritualística para tratar das ofensas, calúnias, traumas, feridas, cicatrizes: é confeccionar um casaco de pano ou papel no qual você escreve, pendura ou desenha essas coisas. Também pode ser um xale, que é mais fácil de fazer, ou qualquer roupa velha que vc não usa mais e onde possa pendurar ou colar isso. Instruções abaixo:

“Às vezes no meu trabalho com mulheres mostro-lhes como fazer um capote expiatório longo, de tecido ou de algum outro material. Um capote expiatório é um casaco que descreve em detalhes, pintados ou escritos e com todo tipo de coisas costuradas ou pregadas nele, os insultos que a mulher sofreu na sua vida, todas as ofensas, calúnias, traumas, feridas, cicatrizes. É a sua afirmação da experiência da mulher de ser transformada em bode expiatório. Às vezes demoramos apenas um dia, ou dois para fazer um casaco desses; outras vezes demoramos meses. Ele é de extrema utilidade para a descrição de todas as mágoas, baques e golpes da vida da mulher.

À princípio, fiz um capote expiatório para mim mesma. Ele logo ficou tão pesado que precisou de um cortejo de musas para carregar a cauda. À minha intenção era a de fazer esse casaco e mais tarde, depois de ter posto todo esse lixo psíquico num único objeto psíquico, eu poderia dispersar uma parte da minha antiga fragilidade ao incinerá-lo. O que aconteceu, porém, foi que pendurei o casaco no teto do corredor e cada vez que passava por ele, em vez de me sentir mal, ei| me sentia bem. Descobri que admirava os ovários da mulher que podia usar um casaco daqueles e ainda estar andando inabalável, cantando, criando e abanando o rabo.

Descobri que isso também se aplicava às mulheres com que eu trabalhava. Elas nunca queriam destruir seus capotes expiatórios depois de prontos. Elas queriam guardá-los para sempre, quanto mais repulsivos e sangrentos, melhor. Às vezes, também os chamamos de mantos de combate pois eles são prova da resistência, das derrotas e das vitórias das mulheres como indivíduos e das suas parentas”.

Clarissa Pinkola Estés, Mulheres que correm com os lobos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *