O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

A cura através do olhar feminino no mundo

“E, talvez levada também pela mesma Grande Senhora, iniciei uma viagem na Índia, talvez a pior da minha vida. Ou terá sido a melhor? Sozinha, viajei por cidades do deserto do Rajastão. Vivi momentos difíceis ali, onde a diferença erguia barreiras. Muita confusão e mal‑entendido!
O único consolo era a força e a devoção nos templos, os ritos e o olhar compassivo das mulheres. Cheias de véus, seus olhos negros e com kajal eram um conforto.
Voltei doente do que vi e vivi, mas certamente eu precisava sentir na pele o que é ser mulher em diferentes partes do planeta.
Tudo isso levou‑me a uma parada, uma nova crise para, assim espero, um novo começo. Quero incluir todo o vivido nesses últimos anos. Incluir o encontro do diferente e das diferenças.
Busco uma síntese do meu trabalho que inclua a cura através do caminho das artes, dos ciclos e estações; cura através do olhar feminino no mundo. Busco, busco, busco…
Quero trabalhar com jovens. Quero tempo! Tenho planos e medos! Que tempo me espera? Axé tempo!”

Depoimento de Ana Figueiredo

2 comentários

  1. Giusi disse:

    Ana , também me assusto com a situação da mulher, vista de maneira tão inferior, grotescamente desrespeitada. Dá muita dor mesmo!!! Espero que com o tempo possamos vencer estas barreiras…pois não há fusão entre opostos…há apenas opostos.

  2. Sílvia Pazos disse:

    Penso que o grande Trabalho é nos valores Internos q cada uma de nós traz e não validamos isso…esperamos q o lá fora, o mundo quem quer q seja faça isso, dizendo o que é certo ou errado. A grande Alquimia é dentro deste Secreto Universo q cada uma de nos é, não importando em que parte do planeta habitamos, somos única, e toda a Magia reside neSta Unicidade que somos e não reconhecemos, este é o Grande Despertar!

    Abraço Fraterno a todas nós!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *