O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Poesia é balsamo para a alma

Para tempos difíceis e sombrios a poesia pode trazer alento com sua boniteza eterna. Essas são de Sophia de Mello Breyner Andresen, uma das mais importantes poetas portuguesas do século XX. Sua obra, que inclui poemas, contos, livros infantis e ensaios, recebeu inúmeros prêmios, como o Camões (1999) e o Reina Sofía (2004). Nasceu no Porto em 1919 e morreu em Lisboa em 2004.

 

Um dia

Um dia, gastos, voltaremos
A viver livres como os animais
E mesmo tão cansados floriremos
Irmãos vivos do mar e dos pinhais.

O vento levará os mil cansaços
Dos gestos agitados irreais
E há-de voltar aos nosso membros lassos
A leve rapidez dos animais.

Só então poderemos caminhar
Através do mistério que se embala
No verde dos pinhais na voz do mar
E em nós germinará a sua fala.

Reza da manhã de maio

Senhor, dai-me a inocência dos animais
Para que eu possa beber nesta manhã
A harmonia e a força das coisas naturais.

Apagai a máscara vazia e vã
De humanidade,
Apagai a vaidade,
Para que eu me perca e me dissolva
Na perfeição da manhã
E para que o vento me devolva
A parte de mim que vive
À beira dum jardim que só eu tive.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *