O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Perdeu a vitalidade, está distraída e confusa?

Quem não desanima nessa pandemia interminável? Consultei o tarô sobre isso e tirei hoje a carta do Diabo. Em seguida, por acaso só que não, abri exatamente nesse trecho aí abaixo da Clarice Pinkola Estés. Creio que não foi só para mim: essas sincronicidades e esses recursos nos inspiram a seguir em frente, principalmente nessas horas. 

“Se você sente que perdeu sua missão, sua vitalidade, se você se sente confusa, ligeiramente desligada, procure o diabo, o que arma emboscadas para a alma dentro da sua própria psique.

Se você não conseguir vê-lo, ouvi-lo, apanhá-lo em flagrante, parta do pressuposto de que ele esteja trabalhando e, acima de tudo, mantenha-se afastada — não importa o cansaço ou o sono que você sinta, por mais que você tenha vontade de fechar os olhos à sua verdadeira tarefa.

Na realidade, quando a mulher tem um complexo demoníaco, ele ocorre exatamente como descrevemos. Ela vai avançando, saindo-se bem, cuidando do seu nariz, e de repente o diabo salta à sua frente. Com isso toda a sua obra perde energia, começa a mancar, a tossir, a tossir cada vez mais e acaba desmaiando. O complexo demoníaco, usando a voz do ego, ataca a sua criatividade, suas ideias e seus sonhos.

Quando diversos santos escreveram que lutaram para manter a fé no Deus por eles escolhidos, que eram acossados a noite inteira pelo demônio, que queimava seus ouvidos com palavras destinadas a abalar sua determinação, que arrancava seus olhos do lugar com aparições horríveis e em geral arrastavam sua alma sobre vidro moído, eles estavam falando desse exato fenômeno, da súbita aparição do demônio. Essa emboscada psíquica tem como objetivo abalar a fé, não só a fé em você mesma mas no trabalho delicado e cuidadoso que você está realizando no inconsciente.

É preciso uma fé considerável para continuar nessa hora, mas precisamos e conseguimos continuar.”

Clarice Pinkola Estés, Mulheres que correm com os lobos

1 comentário

  1. Elaine disse:

    Mas que sincronicidades! Gratidão pelo partilhar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *