O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Pensamentos e Imagens

Não deixo ninguém me impingir a balela do “espírito jovem”. Simplesmente porque não quero ter espírito jovem nenhum. Penso que a grande conquista da idade é exatamente o “espírito velho”. E a grande perda é a do “corpo jovem”. Não só pela beleza da juventude, mas porque quanto mais o corpo envelhece, mais perto ele está da morte, e eu adoro viver. Mas espírito jovem, tenha dó. Deu um trabalho danado aprender tudo o que sei até agora, para isso escorreguei um monte de vezes, magoei umas tantas pessoas, fui arrogante e insensível em alguns momentos, passei do medo que paralisa para aquele que move, me libertei de várias neuroses e de outras tantas idealizações e tive de ralar muito para me tornar um ser humano melhor. 
Eliane Brum 

Perfeito Eliane: porque ser jovem espelha alguma qualidade superior? Que coisa mais boba! 

Existem coisas fantásticas na juventude, especialmente no sentido do leque de possibilidades que ela possibilita. Mas, como tudo na vida, ela tem que passar e esse leque têm que se estreitar e se transformar em realizações: temos que passar para a fase da maturidade! 
Precisamos nos refinar, aprofundar, lapidar, aprender com a vida, enfim! 
Eu também lutei muito para ter um espírito maduro e quero continuar lutando para um dia chegar a ser uma velha sábia de alma velha!

4 comentários

  1. Cassia disse:

    É isso aí, Cris! Outro dia alguém me disse que temos a cabeça de vinte. Eu, na hora, retruquei que de forma alguma quero ter a cabeça que tinha então. A melhor coisa do tempo é que aprendemos alguma coisa. Quero ter exatamente a idade que tenho e seguir descobrindo…

  2. As pessoas são meio doidas, né Ca? Se eu tivesse a cabeça que tinha aos 20 o que fiquei fazendo nesses 39 anos que vivi depois disso? Dormindo, hibernando, me repetindo? Viver é aprender e mudar, não é minha amiga querida? Que tenhamos muitas mudanças e descobertas juntas…
    Cris

  3. Juliana disse:

    Esse depoimento me lembrou o "Ciranda das mulheres sábias", da Clarissa Pinkola Estés.

    De minha parte, acho que o bom é ter em nós a sabedoria da maturidade e também a leveza, que não é exclusiva de um estado de juventude.

    Abraços!

  4. Sabe, Juliana, hoje fui pela primeira vez com meu neto (de 2 anos) ao teatro. O olhar de encantamento, surpresa, curiosidade e espanto que ele dava para tudo aquilo, é o que eu acho que a gente nunca pode perder! Isso e leveza não são atributos da juventude, nem da infância no meu entender. São atributos que a gente pode ter a vida toda, mesmos maduros, mesmo idosos. Esse são atributos de quem se mantém de fato VIVO!
    Obrigada por entrar no debate.
    Bjs
    Cris

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *