O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Pensamentos e Imagens


E o que me seduz na arte, seja dança, cinema ou teatro, é quando existe algo de singular no que está sendo apresentado. O essencial que eu preciso fazer com minha arte é o que, se eu não fizer, ninguém vai fazer no meu lugar. Aí sou eu, aí eu sou diferente, e ninguém é igual a ninguém.
Rosane Almeida

Essa fala é da grande artista: atriz, dançarina, coreografa, malabarista, trapezista, autora, professora, companheira do também grande Antonio Nobrega e, com muita honra uma das nossas entrevistadas no livro O FEMININO E O SAGRADO- Mulheres na jornada do herói. O trecho acima está na página 217.

1 comentário

  1. A arte talvez seja a atividade na qual a gente pode ser mais original!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *