O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Para se conectar com as deusas

Alguns meses após o lançamento do meu livro O LEGADO DAS DEUSAS em 2014, a jornalista e agora amiga Raphaela de Campos Mello, fez uma entrevista comigo para fazer uma matéria para a revista Bons Fluídos. Foi um longo papo, na verdade mais de um…e além de mim conversou com outras pessoas. Isso resultou em seu texto e um grande artigo chamado ” Mestras em qualquer tempo”. Lembro que ela escolheu 10 deusas que eu havia colocado no livro para focar em sua matéria. E que também a editora chefe da revista queria “conselhos práticos” para dar as leitoras para que elas pudessem se conectar com cada deusa. Isso rendeu muitas conversas com a Raphaela e os “conselhos” ficaram assim:

Hécate: Silencie, ouça e confie em sua intuição. Nem sempre a razão deve prevalecer. Se sua cabeça disser que o caminho é um, mas algo dentro de você discordar, escute com atenção essa voz.

Icamiabás: Procure ver em cada mulher não uma rival em potencial, mas uma irmã de alma. Nunca desmarque um compromisso com uma amiga querida por causa de um homem. Nós mulheres precisamos dar a mesma importância tanto às amizades quanto ao relacionamento amoroso.

Inana e Ereshkigal: Não receie as partes desconhecidas de si mesma. Pode estar aí escondida uma enorme riqueza interna. Quando você sentir que algo dentro de você está pedindo para ser transformado, se abra para as mensagens contidas em sonhos e imagens

Kali: Se você estiver numa situação que a deixa muito nervosa, raivosa, acuada, use esse sentimento como energia de ação a fim de mudar aquilo que está lhe fazendo mal.

Mulher Búfalo Branco: Descubra aquilo que ama fazer, que pode ser bordar, cantar, dançar, escrever, cozinhar etc, e incorpore essa atividade ao cotidiano. Mas não como hobby e sim como algo imprescindível na sua vida.

Nu Wa: Nunca se apegue a uma visão rígida de qualquer situação ou circunstância. Por exemplo, quando estiver estressada, tentando controlar tudo, busque a atitude contrária. Relaxe e deixe as coisas fluírem a seu tempo e a seu modo. Ou, se estiver desestimulada, empurrando as coisas com a barriga, retome as rédeas da vida.

Sekhmet: Respeite seus limites. Se estiver ocupada cuidando de você e qualquer pessoa solicitar sua ação, e esta não for uma emergência, aprenda a dizer sem medo e sem culpa: “Agora não posso, pois estou cuidando de mim”.

Tara: Veja a gentileza, a delicadeza e a sensibilidade sempre como forças, nunca como fraquezas. Experimente tirar um dia para deliberadamente tratar a todos incluindo você mesma de forma gentil e veja como se sente ao final da experiência.

Uzume: Quando se sentir envergonhada, com medo de ser ridicularizada ou muito dramática, não se leve tão a sério. Perceba que a vida é muito maior e ria de si própria.

Yebá Beló: Caso sua vida esteja bastante insatisfatória, não fique fantasiando com outra sem fazer nada de concreto para mudá-la. Solte sua imaginação e depois comece a dar os primeiros passos para transformá-la. Pode ser que aquela mudança aparentemente impossível se mostre inevitável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *