O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Marion Woodman fala sobre a relação simbiótica de mãe e filha


No mito grego de Deméter e Perséfone, enquanto mãe e filha estiverem inconscientemente conectadas, vinculadas numa participação mística, a filha é simplesmente Kore, a palavra grega para donzela. Ela não tem nome,nenhuma identidade própria. Permanece na órbita de sua mãe, sentindo os sentimentos de sua mãe, sonhando os sonhos de sua mãe. Deméter como mãe e Kore como filha constituem uma díade inconsciente, uma vida simbiótica.Uma mulher adulta pode não abandonar nunca essa díade. (…) Por mais perfeito que possa ser o vínculo entre elas, é necessário torná-lo consciente, caso cada uma queria descobrir sua própria vida. Um relacionamento feminino maduro só é possível quando se permite que uma nova luz ilumine o espaço que há entre elas.

MULHER – em busca da feminilidade perdida – págs. 153/154

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *