O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Aniversário com tartarugas

Comemorei meu aniversário no templo Zulai, em Cotia.

Depois de acender um incenso e de tirar de uma cesta um papelzinho com um Conselho do Buda para mim (esse ano, devo ser paciente, perseverante e grata), desci para o belo jardim que você está vendo na primeira foto.E fiquei ali resto do tempo, ao lado do lago e das tartarugas da foto de baixo.

Na China, os cascos das tartarugas eram usados como oráculo.Em seu livro O fio de seda, Monika von Koss conta que as pessoas encostavam tições nas cascas retiradas das tartarugas, e liam a sorte nos desenhos que assim se formavam.
Com o tempo, o que se transformou em leitura do I Ching passou a ser feita com o lançamento de varetas tiradas de um arbusto, e agora o meio mais popular de fazer uma leitura é com o uso de moedas.

Mas a tartaruga é mesmo um animal especial. Na mitologia chinesa, a Grande Deusa, de origem xamânica, é chamada de Mãe da Tartaruga Dourada. E quando o I Ching quer dar uma bronca em alguém, diz: – Você perdeu sua tartaruga mágica!

Conheço um homem que é funcionário de um parque estadual, onde existem vários animais em semi cativeiro.Uma das funções dele é desvirar as tartarugas que sobem numa pedra e caem de barriga para baixo. Elas não conseguem se desvirar sozinhas, podendo morrer se forem deixadas assim.

Sim, também acho que é uma função esquisita.Mas será que a gente não conhece certos seres (humanos) tão duros que ficam imobilizados pela própria rigidez, e precisam de alguém tratar deles, tentando desvirá-los das encrencas em que se metem?

Por outro lado, o psicólogo James Hillman falou que alguns velhos podem se comparar a tartarugas, pois “suponhamos que a aparência mais grossa e grosseira da tartaruga indique que ela está enrijecendo sua carapaça para cobrir seu amolecimento interior, seu orgulho suavizado e sua vontade dócil”.Ou seja, eles são durões por fora porque estão amolecendo dentro, ficando mais tenros… e é difícil lidar com isso, né?

Para os chineses, a tartaruga simboliza o pilar do mundo; aqui no Ocidente, os antigos diziam que o mundo está apoiado nas costas de uma tartaruga.Tanta responsabilidade justamente para esse animal anfíbio, híbrido, de água e da terra, de casca dura e corpo mole, protegido e frágil, tudo ao mesmo tempo, um paradoxo.

E assim eu, uma brasileira de meia ascendência italiana, de meia idade, muito urbana, meio dura meio frágil, comemorei meu aniversario lendo um livro sobre a Grande Mãe chinesa, no calmo jardim de um templo budista, ao lado da movimentada rodovia Raposo Tavares, hibrida também, paradoxo como minha irmã, a tartaruga.

Texto e fotos de Beatriz Del Picchia

2 comentários

  1. Anônimo disse:

    Irmã de escrita, de jornada, de infância imaginativa, de alma: estou contigo e com as tartarugas e não abro!!!
    Cris

  2. Anônimo disse:

    Querida Bia,
    Parabéns !!!
    Um lugar lindo, natureza vibrante, cheia de luz, dia especial, uma idade para festejar as conquistas passadas e saudar as novas. FELIZ ANIVERSÁRIO !
    Abração,
    Neiva – Dia da Criança e da Padroeira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *