O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

A menina do deserto: Sandra Sofiati

Fiz esses contos com intenção de “traduzir” para a linguagem mitológica alguns aspectos da vida real da mulher entrevistada no nosso livro O feminino e o sagrado: mulheres na jornada do herói.
Então, para esclarecer os que ainda não leram o livro e relembrar a quem leu, antes do conto há um pouco da biografia da pessoa a quem se refere.


A entrevista com Sandra foi numa tarde muito quente, em sua casa, consultorio e espaco terapeutico denominado Kuikakali, que significa “a casa do canto”, nome que vem do Mexico antigo. Ela vestia uma saia longa de jeans e uma bonita tunica bordada, parecendo mexicana. Suas falas são diretas, objetivas.
Sandra Sofiati tem um filho adulto, é psicoterapeuta, terapeuta de voz, facilitadora de PathWork e de constelações familiares. Mas um fato fundamental em sua Jornada foi que, deixando de lado o mundo convencional no qual vivia aqui, ela se abriu para uma ligação muito forte com a cultura tradicional do México, onde descobriu uma parte importante de si mesma. Em suas palavras (pg 226 do livro): – “ Uma vez iniciada, cheguei a ir para o deserto ao norte do México sozinha.. e tudo era muito mágico; recebi algumas respostas de que precisava. Minha percepção se abriu… Voltei do México transformada!”
Hoje desenvolve um trabalho ligado a isso, levando os brasileiros para lá e, às vezes, trazendo os médicos indígenas para cá. Faz um pouco a ponte entre essas culturas. E tem um enorme amor pela música e pela natureza.

Certa vez, uma moça quis saber se a estrada civilizada, pela qual todo o mundo estava indo, iria dar no vago lugar com o qual sonhava, que ela não via direito, e não sabia onde ficava.
– O fim dessa estrada dá num lugar cheio de ouro e pedras preciosas, respondeu o anão que cobrava o caro pedágio – É o lugar dos sonhos de todos. Vale a pena pagar.
A moça, que também se achava muito civilizada, comprou essa historia e foi indo pela estrada, direitinho, até que seu tornozelo se enroscou numa coisa.

Quando ela se abaixou, viu que a coisa era a ponta de um cipó, um longo ramo de folhinhas muito brilhantes, lembrando uma tornozeleira de esmeraldas. O tipo de preciosidade que lhe disseram que ela iria encontrar só no fim da estrada. Então, em vez de se desenroscar dele, a moça resolveu puxar o ramo do cipó para ver onde ia dar.

Assim, seguindo o cipó, ela saiu da estrada. Primeiro desceu para a valeta lateral, e depois entrou numa floresta, onde havia uma trilha de terra batida. Parecia um aqueles lugares que as mães recomendam que a gente não vá.
– Acho que essa trilha é paralela a estrada – a moça pensou – Mas quem sabe é um caminho melhor para meu lugar dos sonhos.

Sem medo, a moça andou um pouco por lá, e depois voltou para os recursos civilizados da rodovia. Mas logo as conversas estridentes e a artificialidade do asfalto a fizeram retornar á calma da trilha da mata.
Ficou indo e vindo de uma para a outra, e fez isso tantas vezes que acabou virando uma guia para as pessoas que não achavam graça na estrada e não queriam se perder na floresta.
Mas a moça nunca ficava muito tempo nem na trilha, nem na estrada.

E começou a achar que o lugar de seus sonhos não era o que o anão do pedágio tinha dito que era. Sendo assim, a estrada não a levaria onde ela queria ir. E nem a trilha, que era paralela.

Dentro da mata, ela sonhou com um atalho escondido atrás de rochas. Ao acordar, procurou as rochas e encontrou o atalho. Ele a levaria para seu lugar de sonhos?
Não sabia. Mas sabia que iria até o final dele, custasse o que custasse. E sozinha, pois essa viagem não admitia companhia.
Sem parar, embrenhou-se no mais fundo da mata, atenta ás plantas exuberantes e á música do vento nas folhas.

No final do atalho, a mata também acabou.
Ali erguia-se um cactus gigantesco, o guardião do deserto que se descortinava a frente.

A moça o reconheceu como se reconhece a um irmão. Ele era grande, solitário, e capaz de viver na secura, porque é cheio de úmida vida por dentro.
A moça também reconheceu o deserto como o seu lugar de sonhos, aquele que verdadeiramente procurava.
Onde não havia nem ouro nem pedras preciosas, nem civilização nem mata, nem estrada, nem trilha, e nem mesmo atalho – apenas silencio e o vazio de onde tudo vem.

3 comentários

  1. Li e me identifiquei imediatamente. Foi epifânico. Cristina como é bom correm com Lobas. O blá, blá, blá do asfalto não entendem e nos dão a sensação de que estamos loucas. São estas Lobas (vocês) que nós ajudam a acreditar naquilo que vai além dos olhos. Namastë

  2. Anônimo disse:

    Que bom que vc gostou do conto que a Bia escreveu sobre a Sandra! Eles e os meus desenhos foram as respostas mais pessoais que tivemos ao impacto de conhecer e entrevistar essas mulheres lobas!
    Cris

  3. Anônimo disse:

    Belo, restaurador e revelador!
    Obrigada !
    MAH.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *