O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

A Grande Deusa

No nosso último Encontro de Mitologias do Feminino trabalhamos a Grande Deusa, arquétipo que está presente, de uma forma ou de outra, em todas as deusas posteriores e que diz muito sobre o Princípio Feminino.

Em todas as mitologias dos povos agricultores do paleolítico e neolítico reina a Grande Deusa. Campbell diz: “(…) onde quer que a agricultura tenha se tornado a principal fonte de alimento do povo, a Deusa e o feminino são dominantes”.

A Grande Deusa contém TUDO o que existe, tudo e todos nascem dela e nela vão ao morrer / é dela que tudo vem e é para ela que tudo volta.

A característica dessa Grande Deusa Mãe que a diferencia totalmente de Deus Pai é que ela contém TUDO, ela contém Bem e Mal, Luz e Sombra, enfim os pares de opostos. Erich Neumann comenta que um dos traços fundamentais da Deusa era a coincidentia oppositorum, ou seja, mesmo sendo una era, paradoxalmente, reverenciada com dupla personalidade: como Mãe Bondosa e como Mãe Terrível − útero e túmulo da humanidade − porque exercia o ambíguo papel de promover a vida e a morte.

Ela é associada a Natureza, ao mundo da matéria. Os homens arcaicos formulavam a idéia do mundo abstrato conforme a realidade existencial concreta se apresentava para eles. Desse modo, a Grande Deusa Bondosa era a Natureza benéfica quando os presenteava com as riquezas da terra e era a Terrível quando os castigava com a força dos seus elementos.

Podemos falar dela em 4 aspectos:

• Ela contém os pares de opostos: Bem/Mal – Vida/Morte – Mãe Nutritiva, que traz e preserva a vida/ Mãe Destrutiva, Terrível que traz a morte

• É ao mesmo tempo Celeste e Ctônica – Luz e Escuridão – As Alturas e as Profundezas

• É a Transformadora: aquela que recebe a semente e a transforma em vida e aquela que recebe o corpo morto de volta e o devolve renovado ( vida/morte/ressurreição). Por isso é a que gera o futuro e a continuidade da vida.

• Traz a o mesmo tempo uma visão monoteísta e politeísta: é uma só e ao mesmo tempo reconhecida e adorada sob diferentes nomes e diferentes formas.

1 comentário

  1. Gostei, Cris! Deve ter sido uma delícia esse encontro! Bjs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *