O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Livro para as ferias ou dar de presente: O Urso e o Rouxinol

Em certa passagem desse romance um padre ortodoxo quer acabar com os encontros de Wasilisa com os seres mágicos da floresta e do rio, diz que quer salva-la e a aconselha a tomar cuidado. Ousada, ela responde: – O que me parece é que é a sua vida que precisa de salvação, e o senhor é que deve ter cuidado…

Situado na Rússia medieval, bem na transição das seitas pagãs para o cristianismo e do feudalismo para o poder centralizado dos czares, esse livro é inspirado nos contos de fadas de Wasilisa, para mim a mais sabia e corajosa das heroínas.

A autora é Katherine Arden, americana que morou em Moscou e especializou-se em literatura russa.

Em O Urso e o Rouxinol, Wasilisa é filha e neta de mulheres com poderes extra-sensoriais e os herdou delas.  Crescida ao lado de uma floresta, resistente ao frio, essa órfã de mãe vive feliz em contato com a natureza e seus seres extraordinários: o domovoi, um elemental ligado aos cavalos; a rusalka, ao rio; o vodianoy, às arvores, o baninik à casa de banhos…

Até que o pai se casa e, claro, aparece uma madrasta para quem todos esses entes são demônios e Wasilisa uma criatura do mal.

Você pode tentar imaginar o resto, mas haverá surpresas e muitos perigos. Os perigos vêm da natureza que começa a ser violada em todos os sentidos, inclusive o místico, e vêm também dos humanos acuados pelo medo que a nova religião traz.

Mas é uma delícia ir se deixando entrar naqueles ambientes tão diferentes dos nossos: a grande e rustica casa de toras, a velha babá dominando a cozinha cheia de ervas, caldeirões de sopas de nabos, escalda pés que aquecem os visitantes quase mortos pelo frio, e a onipresente floresta que rodeia tudo.

Sempre na sombra-luz dos entes da natureza e das lutas intimas do padre e da madrasta que recusa seus próprios dons e que, afinal, é acima de tudo uma mulher oprimida. Já com sua coragem, confiança e determinação, a antiga heroína Wasilisa mostra-se uma mulher mais contemporânea que muitas de nós.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *