O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Heroínas do Brasil – Ana Nery

Ana Justina Ferreira Nery, mais conhecida como Anna Nery (1814 / 1880) a pioneira da enfermagem no Brasil
AnaNery
Ana nasceu em Cachoeira, na Bahia, em 1814. Casou-se aos 23 anos com Isidoro Antônio Nery, capitão-de-fragata da Marinha, que estava sempre no mar. Ana acostumou-se a ter a casa sob sua responsabilidade. Ficou viúva com 29 anos e criou sozinha os três filhos, Justiniano, Isidoro e Pedro Antônio. Os dois primeiros tornaram-se médicos e o Pedro Antônio, militar.

Ao irromper a Guerra do Paraguai, Ana viu seus filhos e dois irmãos serem convocados para guerra. Ana, aos 51 anos e sem nunca ter saído da Bahia, requereu ao presidente da província que lhe fosse facultado acompanhar os filhos e o irmão durante os combates, ou, que ao menos, ela pudesse prestar serviços nos hospitais do Rio Grande do Sul. Deferido o pedido, Ana partiu de Salvador, incorporada ao décimo batalhão de voluntários em agosto de 1865, na qualidade de enfermeira. Foi auxiliar o corpo de saúde do Exército, que era pequeno e contava com pouco material.

Começou seu trabalho no hospital de Corrientes, onde havia, nessa época, cerca de seis mil soldados internados e algumas poucas freiras vicentinas. Mais tarde, assistiu os feridos em Salto, Humaitá, Curupaiti e Assunção.
Apesar da falta de condições, pouca higiene, falta de materiais e excesso de doentes, Ana Néri chamou a atenção, por sua dedicação ao trabalho como enfermeira, por todos os hospitais onde passou. Tinha uma árdua jornada de trabalho. Apesar das dificuldades e da forte rigidez militar da época, Ana resolveu criar grupos para a melhoria da enfermaria. Fez cinco grupos, um era responsável pela limpeza da enfermaria, outro por cortar os cabelos e fazer a barba de todos os doentes, outro responsável pelo café da manhã, outro pelo banho e o último responsável por arranjar cal para acabar com os piolhos.

Terminada a guerra, onde perdeu um filho e um sobrinho, voltou Brasil, em 1870. Aqui, Ana Néri recebeu várias homenagens: foi condecorada com as medalhas de prata humanitária e da campanha e recebeu do imperador uma pensão vitalícia, com a qual educou quatro órfãos que recolhera no Paraguai.
Anna faleceu no Rio de Janeiro aos 66 anos de idade, em maio de 1880. Em sua homenagem a primeira escola oficial de enfermagem de alto padrão no Brasil, fundada por Carlos Chagas em 1923, recebeu em 1926 o nome de “Ana Nery”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *