O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

De um mundo para outro: há vida após o nascimento?

Essa pequena historinha, baseada num conto sufi, é uma verdadeira jóia.  Não vou comentar para não estragar a surpresa.  Ela me foi passada pelo José Carlos, a quem muito agradeço.

Era uma vez dois gêmeos que ainda estavam na barriga da mãe. Conforme passava o tempo, eles foram adquirindo consciência. Começaram a explorar o útero e perceberam o cordão umbilical que os levava à mãe e os mantinham vivos. Pensaram:
– Uau, que grande mãe é essa, que nos dá a vida! 

As semanas viraram meses e os bebês cresceram. Foi ficando meio apertado lá dentro, e eles começaram a sentir uns apertões intermitentes que os deixavam mais desconfortáveis e gerava medo. 
Os gêmeos também notaram o quanto cada um estava mudando.
Gêmeo 1: – O que isso quer dizer?
Gêmeo 2: – Quer dizer que nossa estada nesse mundo está chegando ao fim.
Gêmeo 1: – Mas eu não quero ir-me daqui!
Gêmeo 2: – Mas talvez haja vida após o nascimento.
Gêmeo 1: Mas como pode haver? Nós perderemos nosso cordão umbilical. Como a vida pode ser possível sem ele? Além disso, há evidencias de que outros já estiveram aqui antes e ninguém voltou para nos contar que há vida após o nascimento. Não, isso é o fim!
E aos poucos o dialogo foi ficando mais serio:
Gêmeo 1: – Se a concepção termina no útero, qual é o propósito da vida no útero?… Não faz sentido! Talvez, afinal de contas, nem mesmo haja uma mãe!
Gêmeo 2: – Mas tem que haver! Senão, de que forma teríamos chegado aqui? Como nos teríamos mantido vivos?
Gêmeo 1: – Você alguma vez já viu nossa mãe? Talvez ela viva apenas na nossa imaginação. Talvez a gente a tenha inventado para nos fazer sentir bem.
E assim, os últimos dias no útero foram diferentes para cada gêmeo. Um deles se preocupava constantemente, vivia com medo e fazia muitos questionamentos. O outro tinha confiança e fé, e esperava pacientemente.
Na hora do nascimento, os gêmeos abriram os olhos e encontraram um mundo muito além de seus sonhos mais ousados.
  

Post de Bia Del Picchia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *