O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

O nascimento virginal segundo Joseph Campbell

Trazendo a calorosa sabedoria de Campbell, que nos inspira a viver a partir do coração, desejamos a todas e todos um iluminado Natal! O trecho foi tirado do livro O poder do mito, Ed. Palas Athena.
MOYERS: O nascimento virginal… é um deus que emerge.
CAMPBELL: E você sabe quem é esse deus? É você. Todos esses símbolos na mitologia se referem a você. Você pode se apegar ao lá fora e achar que está tudo lá fora. Assim, você estará pensando em Jesus levando em conta todo o sentimento, tudo o que ele sofreu – lá fora. Mas esse sofrimento devia estar acontecendo dentro de você. Você renasceu espiritualmente? Você morreu para a sua natureza animal e retornou à vida como encarnação humana da compaixão?
MOYERS: O que há de significativo no fato de se tratar de uma virgem?
CAMPBELL: O procriador é do espírito. Trata se de um nascimento espiritual. A Virgem ficou grávida da Palavra, pelo ouvido.
MOYERS: A Palavra veio como um feixe de luz.
CAMPBELL: Sim. E o Buda – o sentido é o mesmo – diz-se que nasceu do flanco de sua mãe, localizado no chakra do coração.
MOYERS: Chakra do coração significa…?
CAMPBELL: Oh, chakra do coração é o centro simbólico associado ao coração. Chakra
significa “círculo”, “esfera”.
MOYERS: Então o Buda saiu…
CAMPBELL: …o Buda nasceu do flanco de sua mãe. É um nascimento simbólico. Ele não nasceu fisicamente do flanco de sua mãe, mas simbolicamente.
MOYERS: Mas Cristo nasceu do modo como você e eu nascemos.
CAMPBELL: Sim, mas de uma virgem. E então, de acordo com a doutrina católica
romana, sua virgindade foi restaurada. De modo que, fisicamente, nada aconteceu, você
poderia dizer. A referência simbólica não é ao nascimento físico de Jesus, mas à sua

significação espiritual. Eis aí o que o nascimento virginal representa. Heróis e semideuses nascem como seres motivados pela compaixão e não pela vontade de domínio, de sexualidade e de auto-preservação. Este é o sentido do segundo nascimento, quando você começa a viver a partir do centro do coração.


post de Bia Del Picchia 

3 comentários

  1. Campbell é o máximo, não é, Cristiane?

  2. Venho regularmente visitar o seu blog e aproveito para agradecer pelos posts, pelas belezas e aprendizado partilhado.
    Um feliz natal e um forte abraço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *