O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

MULHERES MARCANTES: Martha Graham (1894/1991)

Martha Graham foi uma dançarina e coreógrafa americana que revolucionou a história da Dança Moderna. 

O impacto que a dança de Martha Graham causou nos palcos é frequentemente comparado à influência que Picasso teve para a pintura em seu tempo, ou Stravinsky na música, ou Frank Lloyd Wright na arquitetura. As suas contribuições transformaram essa forma de arte, revitalizando e difundindo a dança ao redor do mundo. 

Na sua busca por uma forma de expressar-se mais honesta e livremente, ela fundou a Martha Graham Dance Company, uma das mais conceituadas companhias de dança nos Estados Unidos.

Durante os seus anos de formação, Graham passou a maior parte do tempo na Costa Oeste. Seu pai, um médico especialista em disfunções neurológicas, tinha grande interesse no diagnóstico através da observação dos movimentos físicos. Essa crença de que a capacidade do corpo de expressar seus sentimentos e sensações interiores foi vital no interesse e desejo de Graham pela dança. Apesar de ter sido uma garota atlética, ela nunca sentiu grande interesse pela dança durante a sua infância. Quando ela tinha 10 anos, uma de suas irmãs desenvolve asma e sua família se vê obrigada a mudar para a Califórnia por causa do clima mais adequado. 

É assim que, em 1911, já na sua adolescência, Martha tem o seu primeiro contato com a dança: a Companhia de Ballet da bailarina Ruth S. Denis se apresenta na Mason Opera House em Los Angeles. Inspirada pelo desempenho dela, Graham se matricula em um colégio orientado para as artes, e depois na recém-inaugurada Escola de Dança Denishawn. A Denishawn foi fundada por Ruth S. Denis e seu marido Ted Shawn, e seu objetivo era ensinar técnicas de dança da América e do mundo. 
Ao longo de oito anos, tanto como aluna quanto como professora, Denishawn foi o seu segundo lar. 

Em 1923, quando lhe ofereceram para dançar, como solista, no Greenwich Village Follies, um teatro popular que combinava música, dança e cenários se muda para Nova Iorque. Lá pode conceber e coreografar suas próprias danças. Embora este trabalho lhe desse alguma independência econômica e artística, ela ainda procurava por alguma coisa maior Foi então que foi para Eastman School of Music, onde teve o controle completo sobre suas aulas e sobre todo o programa dança.



Criou em 1926 uma pequena companhia e fundou uma escola que ficou conhecida no mundo todo chamada Martha Graham and Dance Group. Depois viraram The Martha Graham Dance Company, uma das mais conceituadas companhias de dança dos Estados Unidos. Coreografou mais de duzentas danças, dentre elas muitas obras primas. 

Graham coreografava explorando os mais diversos temas, como a sensibilidade feminina, a mitologia grega, os antigos rituais, as questões sociais e o folclore norte-americano. Após a segunda Guerra mundial, criou trabalhos baseados nas teorias freudianas e junguianas, centrando o tema na figura feminina.Incorporou um novo tipo de mulher, não em sua fragilidade ou graça, mas em sua força e disposição, revelando aspectos do caráter interno da alma. Dessa forma, os arquétipos de suas heroínas possuem uma personalidade feminina que luta não só contra um mundo dominado pelo poder masculino, mas principalmente com seus conflitos afetivos internos, numa mistura entre amor e ódio, felicidade e infelicidade e vida e morte. 

A imutável crença de Graham no movimento que expressa emoções (boas ou ruins), provocou muitas vezes a incompreensão de seus gestos. ― “Não quero que sejam entendidos, eu quero que sejam sentidos”, declarou ela certa vez em uma entrevista. 

Ao final da década de sessenta, o público esperava que Martha não pudesse mais dançar, mas ela se recusa a desistir e surpreende mais uma vez criando um novo papel para si em Time of snow (em que aborda o romance de Abelardo e Heloise) de 1968. 
Em 1969, porém, aos setenta e cinco anos, faz sua última performance em The Lady of the house of sleep e relutantemente anuncia sua aposentadoria, mas continua a fazer coreografias e dar aulas até praticamente sua morte, em 1991 aos 96 anos.

1 comentário

  1. Oi Cristina, que mulher extraordinária! Adorei a frase em destaque.
    Seu trabalho inspirou algumas das vivências corporais que fazemos nos grupos e a experiência foi incrível.
    Bom final de semana!
    Bjs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *